sábado, 8 de dezembro de 2007

Preconceito, um conceito Pré-Formado

Hoje mais um estereótipo foi quebrado, e dessa vez foi o do Umbanda, também conhecido como Macumba e seus praticantes como macumbeiros; hoje tive uma experiência realmente linda, conheci um Centro Espírita de Umbanda, e ao ver as danças, o figurino, as cantigas, a defumação, fiquei encantada, e parei pra pensar de onde, ou por que uma religião com características tão brasileiras pode ser tão massacrada com piadas extremamente atreladas com o preconceito. Descrevi algumas de suas características, para que leigos como eu entendam um pouco mais.
Nas festas nas senzalas os escravos comemoravam seus orixás por meio de santos católicos e incorporaram esses orixás, que eram pais e mães negros mais velhos que sobrevirem à senzala e traziam a cultura e antiga arte da África distante. Com o tempo começaram também a incorporar cablocos, índios brasileiros como pajés e caciques.
Ao longo dos tempos esses cultos foram celebrados em praias, sendo conhecido como macumba, que é a madeira usada para o abataque durante as giras, assim tudo que não seguia os ensinamentos impostos pelo catolicismo, protestantismo e judaísmos eram considerados macumba, se tornando um termo pejorativo.
Suas referencias são das mais variadas, indígena, católica, africana, espírita, pregando a existência pacifica, o respeito ao ser humano e ao meio ambiente (natureza) e a Deus, compreende a diversidade e valoriza as diferenças.
A máxima dentro do Umbanda é "Dê de graça, o que de graça recebestes: com amor, humildade, caridade e fé".
Por ser uma religião muito pluralista e tendo seus vários segmentos, essas características descritas são as mais comuns, não sendo iguais em todos os terreiros e centros.
No Umbanda está a verdadeira historia do Brasil, suas raízes, seus credos, e não há motivos sólidos para que seus praticantes sejam julgados com comentários muitas vezes injustos e preconceituosos. Em um país onde a miscigenação está tão presente, onde culturas de diversos povos vivem em harmonia, porque a mais brasileira com raízes tão fortes precisa ser tratada de uma forma diferente.
Por que? Pare para pensar também, vá a um centro, seja flexível e conheça um pouco mais do seu país, da sua historia, da sua cultura e da sua arte muitas vezes escondidas por uma sociedade que se mostra injusta e desumana, inflexível e burra em suas atitudes.

Umbanda: curador, magia que cura.

2 comentários:

Marinaaaa disse...

Poiss ehh pessOal... axO que hoje.. todos nÓs aprendemos uma valiosa liçãO... ou melhor 2!!!

1ª ApOstO ki nem a metadade das pessOas daki sabiaaa.. q as referências dos orixass são indígena, católica, africana, espírita, pregando a existência pacifica, o respeito ao ser humano e ao meio ambiente (natureza) e a Deus?!??!!? Hein Hein Hein?!?!?!

Vc sabiaaa????? NãOO!!!! Esta aii a primeiraaa liçãO!!

2ª Porra!!! Para de ser mesquinhO E julgar ou até mesmo criticar o desconhecidO!!!
Quer fOrmar uma opnião sobre "tal" assuntO?!?!?!?
EntãO tentee ao menos conhece-lo antes... E não mi venha com desculpinhaS... pOis se vC estaa aki.. apostOo 1.000.000.000,00 que tem acessO ao Grande Mestre "Google"!!! errei?!?!?!

=P

pOr eh sÓ !!!^^

BjãOOo!!!

hauihaiuhaiuhaiuahuia

AmOoo NAhhhhh!!!

-=Tiago Fidelis Moralles=- disse...

Olá Nah.
Novamente eu aqui para comentar uma postagem sua. Gostaria que soubesse que concordo contigo quanto ao que refere novas atitudes e mudanças, devemos primeiramente saber o que é tal coisa, vivenciar novas experiências, aí sim, poderemos fazer um julgamento.
Porém, em um ponto me sobram dúvidas, uma religião com "referências indígenas, católicas, africanas e espíritas, pregando a existência pacífica, o respeito ao ser humano, ao meio ambiente e a Deus", o que se torna um paradóxo e não explica alguns rituais que de alguma forma querem interferir no livre arbítrio, rituais esses que por vezes são cercados de seitas e que é conhecida vulgarmente como "macumba", "encruzilhada" e o próprio "vudu" que também tem origens africanas.
Contudo, parabéns novamente pelo texto e continue assim, tão diversificada.
Beijo.